Em caso de emergência, pacientes devem ligar para:
(86) 99982-0547

Archive: 2016 / 06

Festa Junina Oncoclínica

Quem não ama Festa Junina, não é mesmo? A Oncoclínica já entrou no clima da folia e sexta à noite tivemos o nosso arraial! Uma noite muito divertida, com muito arrasta-pé. Agradecemos pela presença de todos!

WhatsApp-Image-20160618 (5) WhatsApp-Image-20160618 (11) WhatsApp-Image-20160618 (15) WhatsApp-Image-20160618 WhatsApp-Image-20160618 (1) WhatsApp-Image-20160618 (4)

Aspectos Psicológicos Gerados Em Pacientes Diante Da Fosfoetanolamina

Aspectos Psicológicos Gerados Em Pacientes Diante Da Fosfoetanolamina

No dia 19 de maio, por 6 votos a 4, o Supremo Tribunal Federal (STF)  decidiu suspender uma lei, válida desde abril de 2016, que autorizou pacientes com câncer a fazerem uso da Fosfoetanolamina sintética,  suspendendo  também as decisões judiciais que obrigavam o governo a fornecer a chamada “pílula do câncer”.

Mas afinal, o que é a Fosfoetanolamina? É um remédio? Substância?

Para ser mais precisa, trata-se de uma substância sintética que vem sendo investigada quanto à possibilidade de interferir no crescimento do câncer.

Os estudos com esta substância foram iniciados no começo dos anos 90, por um químico, no Instituto de Química de São Carlos – USP. O estudo descreve a ação da substância como uma espécie de marcador, sinalizando para o corpo sobre as células cancerosas, deixando as mesmas mais visíveis para que o sistema imunológico possa combatê-las.

Porém, em 2015, começou uma grande polêmica em torno da Fosfoetanolamina.  Mas o que há de errado com essa substância sintética, já que ela parece ser tão promissora?

A resposta começa por esta ser ainda uma substância sintética e não uma droga. Isso mesmo, a Fosfoetanolamina é uma substância experimental, não possui registro na ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e consequentemente não pode ser distribuída livremente para a população.

Indo mais a fundo, para ela ser aprovada como um medicamento e ter registro na ANVISA, teria que passar por todas as fases rigorosas de uma pesquisa clínica. Existem muitos relatos positivos de pacientes que fizeram o uso da substância na mídia, mas a existência de relatos de cura entre pacientes que recorreram à Fosfoetanolamina não comprova a sua eficácia contra o câncer. Estudos com seres humanos necessários para que uma substância seja considerada um medicamento, chamados testes clínicos, têm planejamento e controle rigorosos, além de um acompanhamento contínuo dos pacientes.

Neste contexto, é temerária e compreensível a discussão gerada em torno da temática. Há uma diferença entre respeitar o direito do paciente de buscar uma terapia alternativa e forçar o Estado a disponibilizar essa terapia alternativa quando não há comprovação científica. Isso é ruim para o Estado, para a população e pode ser mais grave para o paciente.

Outro aspecto grave que acompanha essa discussão é a esperança gerada em cima dessa substância. Muitos pacientes encontram na Fosfoetanolamina a chance de sua cura, ocasionando uma falsa expectativa. Por exemplo, imagine um paciente paliativo vivendo seus momentos de tratamento, se deparando com a “pílula do câncer” e depositar nela toda a sua esperança e chance de cura. Ou imagine um paciente que tem seu diagnóstico curativo, abandonando o tratamento convencional em nome dessa substância. Se o próprio diagnóstico e tratamento já são sofridos e desgastantes, imagine agora a frustração que poderia ocasionar neste paciente que depositou todas as suas fichas em uma substância ainda longe de se tornar um medicamento. Isso pode ser facilmente comparado com “brincar” com os sentimentos e com a vida de pessoas que já estão sofrendo há um bom tempo.

Na sessão do dia 19 de maio de 2016, o plenário da Corte analisou um pedido de liminar da Associação Médica Brasileira (AMB) para suspender a lei, aprovada no Congresso e sancionada em abril pela presidente afastada Dilma Rousseff. No julgamento do mérito, ainda sem data prevista, o plenário deve decidir se anula ou não a lei.

Portanto, conclui-se que novos medicamentos precisam ser testados com responsabilidade e ética antes de serem disponibilizados no mercado, mesmo que sejam gratuitos. Dessa forma, garantiriam a segurança, a esperança e a expectativa favorável para o paciente que tanto necessita.

 

Ingrid Orsano
Psicóloga

A experiência de trabalhar na Oncoclínica por Marco Philipe.

A experiência de trabalhar na Oncoclínica por Marco Philipe.

Nossos guerreiros e seus ensinamentos
O nordestino é, antes de tudo, um forte. Assim, Euclides da Cunha

descreveu os sertanejos magros e maltratados do início do século XX, uma

revolução do pensamento que até então se tinha dos moradores do ambiente

hostil da caatinga nordestina. Da mesma forma, paulatinamente se quebram

paradigmas em relação ao paciente oncológico: não mais visto como um

infortunado, mas um guerreiro e, dessa forma, por definição, um potencial

vencedor.

 

Pelo que lutam, então, esses guerreiros? Responder que é simplesmente

por suas vidas, seria ignorar as múltiplas dimensões do ser humano. Trabalhar

acompanhando as sessões de quimioterapia na Oncoclínica nos permite

conhecer várias histórias e esboçar de uma resposta mais completa.

Antes de Cristo, Hipócrates já dizia: curar quando possível; aliviar quando

necessário; consolar sempre. Aceitar que não se domina plenamente o curso da

vida é o primeiro passo para compreender que o paciente oncológico não é

injustiçado pelo destino. Sob o olhar mais atento, é uma pessoa que tem a chance

de levar sua vida sem receios, diferentemente da maioria dos outros, que, muitas

vezes, desperdiçam o tempo por julgá-lo infinito.

 

As pessoas com câncer lutam pela felicidade – de si próprias e dos seus.

Rapidamente, compreendem que a alegria não advém necessariamente da

absoluta extirpação da doença, uma vez que somos humanos e a morte é nosso

destino inalterável. A vitória vem de percorrer o trajeto da vida aproveitando

cada momento, deixando bons frutos, amando e chorando, quando necessário.

Todas as pequenas conquistas, como voltar para casa depois de uma internação

hospitalar, cuidar da sua plantação, de seus animais, retomar o trabalho, rever os

amigos, abraçar os filhos, pais, netos, irmãos, vizinhos ou um estranho, são – com

razão – festejadas e fazem seus dias mais pontilhados de alegrias.

 

Buscar a cura é, sim, no entanto, um objetivo justo. O diagnóstico cada vez

mais precoce, os tratamentos mais efetivos e o corpo profissional de vanguarda

tornam a expectativa de cura cada vez maior. Para nós, funcionários, trabalhar

em um serviço que oferece o melhor para o paciente, deixa a sensação de

completude profissional; o ambiente leve e os sorrisos fáceis que se encontram

na clínica, trazem a humanidade que muitas vezes falta em serviços de saúde. Os

dias de trabalho na Oncoclínica são, na verdade, reuniões com nossos amigos, os

pacientes, juntos com os quais passamos pelo tratamento com leveza e fé.

 

A experiência que se adquire dos guerreiros com câncer reside, assim, no

aprender a valorizar a vida. O paciente oncológico é quase sempre um desafio,

comumente um vitorioso, mas sempre um professor.
Marco Philipe Teles é médico e faz parte da equipe de quimioterapia da Oncoclínica.